Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Galerias Romanas de Lisboa

Consegui um dos dificílimos convites para se visitarem as Galerias, e valeu a pena! Era algo que vinha a despertar a minha curiosidade ao longo do tempo, nem que fosse pela entrada tão insólita, no meio da rua, mais propriamente, no meio da estrada, onde passam os carros.

Uma entrada similar a uma entrada de esgoto, com umas escadas íngremes e finíssimas.

 

entrada.jpg

  

É incrível saber a quantidade de história mesmo por baixo dos nossos pés, é quase como se voltássemos atrás no tempo. As galerias só foram descobertas devido ao tremor de terra que abalou Lisboa e ajudou a compreender mais facilmente a vida do antigamente.

Esta construção, feita sobre terreno arenoso, era das mais resistentes e flexíveis que se pode pensar. Estava projetada de tal forma que se um dos arcos viessem abaixo, os restantes suportariam o peso da cidade que foi construída acima. Inacreditável.

 

Inacreditáveis são também as filas que existiam para visitar o local: filas de 6 e 7 horas em apenas 2 ou 3 dias - os dias em que as galerias não se encontram inundadas.

 

Houve tempo ainda para curiosidades e o guia contou-nos uma história muito engraçada: Os típicos portugueses destacavam-se bem nas filas: as filas eram longas e demoradas e estes partilhavam de tudo, desde comida, a números de telemóvel, amizades que se faziam para a vida...

No meio da fila estava também um casal alemão, mas que por limitações da língua, não interagia com os restantes, estava apenas na fila.

 

O tempo foi passando, e a fila foi andando, até que chegou a vez dos alemães visitarem as galerias. A senhora sempre muito preocupada, chegou ao interior das mesmas e começou a chorar compulsivamente. O guia pensou que se tratasse de um ataque de pânico, devido à claustrofobia ou algo similar e depressa correu para a senhora a perguntar o que se passava.. 

No meio de algumas palavras em inglês e alemão lá conseguiu perceber que o único objetivo da senhora, seria apanhar o eléctrico 28, que pára mesmo ao lado das Galerias.

 

Conclusão: perderam um dia de férias pensando que estavam na fila para o elétrico... Uma lição a retirar?! Não se coloquem na fila se não souberem para o que ela realmente é, faz parte do ser humano imitar os comportamentos dos outros, principalmente em filas e ajuntamentos, neste caso, resultou num desperdício de um dia....

 

timthumb_3_1.jpg

 Se tiverem oportunidade, visitem!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.