Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

A Trilogia das Cadeiras - primeira parte

Hoje vou dar início a uma série de episódios caricatos que envolvem nada mais, nada menos, do que cadeiras. Pois é, um objeto tão simples e que tantos problemas originou.

 

Há uns tempos, queria apanhar uns bons banhos de sol e nada melhor que ir buscar a espreguiçadeira. Só tinha um problema: precisava de a abrir. Sempre tive um medo terrível que esta se fechasse enquanto eu estava lá deitada, mas nada me preparou para o que se segue.

 

Ok, abrir a cadeira, vamos lá: Coloco as minhas mãos nos braços da cadeira e puxo, conforme puxo, os pés da cadeira abrem, eu desequilibro-me, levo com um dos pés na minha perna e voilá, um arranhão enorme!

Esta estratégia não estava a funcionar, pois eu precisava de abrir os pés e os braços da cadeira ao mesmo tempo. Ora, como sou pequena, não estava a resultar.

 

Tenho então a brilhante ideia de me curvar e prender a parte central da cadeira com as costas. Não havia pior decisão possível: a cadeira fechou-se sobre a minha cabeça de tal forma, que fiquei entalada na cadeira e não me conseguia ver livre dela...

Estão a ver a imagem? Acho que consegui fazer muito pior.

 

top-20.jpg

 

Restou-me depois recorrer com todas as minhas forças a um chamamento universal e que costuma ser a solução para todos os males. Neste caso não foi a mãe, foi o pai! Achei que ele tinha bastante mais jeito para me livrar da cadeira assassina.

 

Do que não me livrei foi do gozo constante de que sou vítima há algum tempo.

 

a20fc15913e14450a608252f7cad9235.jpg

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.