Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Arrendar um apartamento não é fácil

Ontem estava eu muito sossegadinha na minha vida, quando me telefona um amigo meu a dizer que tinha encontrado a casa dos seus sonhos, mas necessitava de um fiador para alugar a casa. A conversa desenrolou-se e fiquei a perceber que, segundo ele, agora é necessário:

  • Identificação - o que eu considero normal.
  • Último recibo de  IRS e nota de liquidação - com o objectivo de perceber se o futuro inquilino tem mesmo capacidade para pagar a renda. Para mim já é uma informação demasiado pessoal, compreendo em caso de crédito, que têm de investigar quase a totalidade dos nossos rendimentos versus despesas, mas em aluguer já torço um pouco o nariz.

 

E a partir daqui é que começam as minhas dúvidas e o meu queixo a descair um pouco:

  • 3 últimos recibos de vencimento;
  • Declaração da entidade patronal;
  • 3 últimos extractos bancários (para verificar o saldo médio);
  • Fiador;
  • Mês ou Meses de caução.

Mas agora alugar casa é mais difícil do que contrair um empréstimo bancário?

Estamos a falar de uma autêntica invasão de privacidade. Então tendo 1 ou mais meses de caução, o proprietário não se encontra salvaguardado quanto aos possíveis incumprimentos?

E quem não conseguir um fiador? Não é assim tão fácil nos dias de hoje e nem toda a gente tem o perfil necessário para o ser..

 

Há aqui alguma coisa que me está a escapar, certo? Quem faz a gentileza de me tentar explicar?

 

satirinhas-interesseira.jpg

 

112 - Número de Emergência

No passado dia 11 de Fevereiro, comemorou-se o Dia Europeu do 112. E vocês perguntam: ok, e onde está o facto relevante?

 

O facto relevante reside precisamente em que apenas 49% dos cidadãos portugueses o conhece!

 

Este número pode ser utilizado para questões relacionadas com saúde, mas também em outras situações tais como: incêndios, assaltos ou roubos. As chamadas efectuadas para o 112 são atendidas, em primeira linha, por uma Central de Emergência da PSP que apenas canaliza para os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM as chamadas que à saúde digam respeito.

A chamada é gratuita e está acessível de qualquer ponto do país a qualquer hora do dia, mas por favor, apenas a utilizem em caso de necessidade. Não percebo como é que 75% das chamadas recebidas não se adequam a este canal, é uma percentagem muito elevada!


Informe, de forma simples e clara:

  • O tipo de situação (doença, acidente, parto, etc.);
  • O número de telefone do qual está a ligar;
  • A localização exata e, sempre que possível, com indicação de pontos de referência;
  • O número, o sexo e a idade aparente das pessoas a necessitar de socorro;
  • As queixas principais e as alterações que observa;
  • A existência de qualquer situação que exija outros meios para o local, por exemplo, libertação de gases, perigo de incêndio, etc.

Desligue o telefone apenas quando o operador indicar.

Da próxima vez que ligar 112 lembre-se: As chamadas desnecessárias sobrecarregam o sistema, pondo em perigo de vida aqueles que realmente precisam de ajuda imediata. Os falsos alarmes afetam a capacidade de resposta às verdadeiras emergências.

 

Insólito: Este fim de semana presenciei um caso inédito, que me fez escrever este post. Estávamos a almoçar num restaurante, quando a dada altura um amigo meu se levanta muito aflito a dizer que tem de ir chamar um táxi. Ora, nós pensámos logo que era para alguém vir ter connosco, ou que alguém necessitava de transporte e até nos oferecemos para dar boleia caso fosse necessário. Não, ele afinal tinha recebido uma mensagem, em que a pessoa dizia que se estava a sentir mal, e que precisava de um táxi para ir para as urgências 

Chic' Ana: Então, mas ele está assim tão mal?

Amigo: Está mesmo mal, não se está a sentir bem.

Chic' Ana: Então porque não ligou para o 112, não consegue falar? Não consegue dar os dados necessários?

Amigo: Consegue sim, mas ele quer um táxi.

Chic' Ana: Faz mal, no 112 dão-lhe as instruções necessárias e só enviam o INEM caso seja fundamental. E a saúde 24?

Amigo: Acho que não é caso para tanto! Ele nem deve saber que isso existe.

 

Sou apenas eu que fico incrédula com esta falta de informação, havendo tantos canais para o efeito? Estamos na era da informação.. Mas será que sabemos aquilo que realmente importa?

 

Fonte de informação aqui.

deposito_0252.png

 Valorizem a vida real!