Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

O regresso

Estas férias foram maravilhosas! Acho que ainda não me tinha apercebido do quão cansada estava.

 

Mas.. Houve peripécias?! Pois claro que sim, e logo a começar no primeiro dia, estava a ver que já não ia para lado nenhum, ou melhor, que ia ter férias, sim senhora, mas num local bem mais apertadinho.. Curiosos? Prometo que vos conto tudo.

 

Espero que tenham tido uma Páscoa memorável, em família, rodeados de quem mais amam e com muita saúde, paz e alegria..

 

Por agora, bem... por agora resta-me colocar a caixa de correio em dia... Uff!! Regressar é mesmo complicado!!

 

3302310-9-0-1482216109-1482216113-0-1482493573-0-1482515487-1482515491-650-50bd1ce724-1-1482770027.jpg

 

Vou tentar visitar os vossos cantinhos para me colocar a par das novidades =) Até já!

Ouvir música no trabalho

Eu adoro ouvir música, e, num ambiente de trabalho amplo, quando uma tarefa exige concentração máxima, pode ser um bom escape e funcionar como isolador de todo o burburinho que existe em redor.

 

Assim foi, ontem à tarde precisava de terminar urgentemente uma tarefa para a reunião que iria ter. Coloco os phones nos ouvidos e trabalho afincadamente.

Chegada a hora da reunião, retiro os mesmos dos ouvidos, um dos phones cai e prende-se nos caracóis. Como é habitual, tudo o que cai no meu cabelo é dele. O phone não foi exceção. Tento retirar e quanto mais o faço, mais ele se embrenha nos caracóis.

 

Olho para a hora e vejo que estou demasiado atrasada. Pensa Ana, pensa….

 

Retiro os phones do computador, passo-os por dentro da roupa, e tento fingir que é algo natural, podem estar associados ao telemóvel.

 

A reunião começa e de vez em quando vejo uns quantos olhares com uma pergunta silenciosa. Pergunta essa que finalmente tomou forma pelo meu colega do lado.

 

Colega: Ana, porque é que tens um fio pendurado no cabelo?

Chic’ Ana: Nota-se muito? Não o consigo tirar, está todo enrolado!

Colega: Acho que toda a gente reparou, mas age como se nada fosse.

 

Assim foi, terminou a reunião e eu estive 20 minutos na casa de banho a socorrer o phone do meu cabelo!

 

9.jpg

 

Como sobreviver ao primeiro dia de trabalho

E.. estou de volta!

 

De volta ao trabalho, de volta à correria do dia-a-dia, de volta aos dias longos e intensos..

Contem-me lá qual o vosso segredo para manter a boa disposição e sobreviver a este regresso à civilização? Eu vou começar o meu dia de trabalho da melhor forma que existe. A marcar as férias anuais! Yey...

 

Se não der sinal de vida nas próximas horas será porque provavelmente me encontro a sonhar com um qualquer destino paradisíaco (pilha de trabalho? Não! É mera especulação), embalada pela brisa fresca e leve (qualquer semelhança com um ar condicionado desregulado que me faz estar enrolada no casaco e rodeada de lenços é mera coincidência), pelo suave cantar dos pássaros e melodia marítima (colegas aos berros? Telefones a tocar? Nada disso...) rodeada pela melhor companhia possível! (Chefes com listas de objetivos a cumprir, colegas que insistem em mostrar os locais maravilhosos onde passaram o réveillon..)

 

31-AnoNovoVidaVelha.png

 

Que 2017 seja um ano de esperança e de recomeço, onde possamos dar asas a tudo o que sonhámos e ficou por realizar em anos anteriores. Desejo-vos acima de tudo saúde e amor. A união destas duas belas palavras será a rampa de lançamento para um ano recheado de conquistas a todos os níveis. E já sabem, somos nós que construímos o nosso futuro, portanto.. mãos à obra!

 

E que tal um pouco de exercício para eliminar os excessos desta época? A Sofia convidou-me a tomar um chá que podem ver aqui!

As obras em Lisboa

Lisboa está num estado caótico. Não percebo o planeamento que estas obras têm e já me esforcei para tal, a sério que sim. Ora vamos lá por passos:

 

Passo nº1: Esburacar a cidade simultaneamente em diversos locais;

Passo nº2: Colocar blocos que desenham a solução futura, interrompendo estradas que se encontram circuláveis, mas que neste momento não o estão por causa dos blocos;

Passo nº3: Efetuar o processo de reconstrução propriamente dito.

 

São tantos locais, que acho que já se perdeu o fio à meada. Haveria algum problema se esta requalificação fosse faseada? Começar numa ponta e terminar na outra? Nem quero sequer imaginar como será agora com a chegada da chuva e do mau tempo.

 

Porque é que estou chateada? Ora vejamos o meu episódio para chegar ao trabalho na semana passada (e atenção, que eu utilizo com elevada frequência os transportes públicos):

07h15: Linha do metro interrompida, não se estima a duração da mesma que pode ser prolongada.

07h30: Voltar para trás, pedir boleia a colegas. Tentar entrar no Eixo N/S ou na segunda circular, que se encontram parados.

07h45: Ir por um dos atalhos e esperar que tudo corra pelo melhor.

08h10: Atalho congestionado, tentativa de rumar a uma estrada mais circulável.

08h20: Objetivo conseguido, estamos a andar alguns metros.

08h45: Andámos 2 metros, justificação – rebentou uma conduta de água e a estrada está cortada. (porque é que não ligámos o rádio mais cedo?)

09h00: Continuamos no mesmo local. Abandonar a viatura e o condutor e seguir em passo de corrida. Não adianta apanhar autocarros, pois o trânsito não circula.

09h45: Chegada ao trabalho.

 

Há alguém que me saiba indicar um prazo, uma estimativa para as obras estarem concluídas?

O-porquê-do-mau-humor-da-Zinza (1).jpg

A Trilogia das Cadeiras - terceira parte

E para terminar esta trilogia, nada melhor que saltar do campo para a cidade, onde as cadeiras também não me dão tréguas.

 

Aqui há uns tempos, na empresa onde trabalho, ia haver uma apresentação de marketing, e, como a sala não era suficiente para abarcar todos os colaboradores, tirámos à sorte quem ia e quem ficava, sendo que quem não assistia, tinha acesso à informação em tempo real.

Ora, calhou-me em sorte ir à apresentação.

Cheguei um pouquinho mais cedo, e, quando entro na sala vejo que as cadeiras a utilizar estavam todas encostadas à parede, fechadas. Comecei logo a transpirar porque geralmente estas cadeiras não são nada estáveis. E estava com receio de dar um trambolhão.

 

Lá vou eu buscar a minha cadeira, e tento abrir, nada, a cadeira não abria. Estavam a chegar cada vez mais pessoas, e eu, que pensei que aquela podia estar avariada, fui trocar a cadeira. Nada, esta nova também não abria, muito discretamente, decidi seguir alguém que chegava à sala e ver como é que abria a cadeira.

Abriu sem qualquer dificuldade e sentou-se. Parecia tudo tão simples e eu andava com a minha cadeira fechada de um lado para o outro. Nisto já tinham passado 10min, mas tinha tempo, a apresentação estava atrasada.

 

Continuo a fazer força, sempre a olhar para o lado para ver se alguém reparava em mim, mas estavam mais afastados na conversa e eu continuava à luta com a cadeira.

 

Nisto, o meu telemóvel começa a vibrar com muita insistência, mas a minha preocupação naquele momento era outra. Passaram mais 5 minutos e há alguém, que já tinha a cadeira aberta que sai da sala. Muito rapidamente dirijo-me para o lugar da pessoa, troco a cadeira fechada por aquela já aberta e finalmente sento-me à espera da apresentação.

 

Vou ao telemóvel ver as mensagens e os e-mails, quando reparo numa mensagem muito particular:

Mensagem: Ana, queres ajuda com a cadeira?

 

Olho em redor e nada de ver a pessoa que mandou mensagem, aliás, a pessoa não vinha à apresentação. Que estranho. Até que recebo nova mensagem.

 

Mensagem: Escusas de olhar em volta, estamos todos a ver-te pela câmara há algum tempo. O melhor que fizeste foi realmente roubar uma cadeira já aberta..

 

Nem queria acreditar que tinham visto o meu comportamento do inicio ao fim, eu que fiz de tudo para ser discreta, só que me esqueci da câmara e andei a pavonear-me mesmo à frente desta. Acho que fiquei corada do inicio ao fim e quando terminou inspirei fundo umas vezes antes de regressar ao posto de trabalho. 

Suporte_71.jpg

Sabes que estás mesmo cansada quando..

... A tua irmã te envia uma mensagem para o telemóvel:

K: Ana, preciso do workshop excel 2!

Ficas a olhar para o telemóvel, pesquisas rapidamente no google o programa pretendido para fazeres o download, não encontras nada com esse nome, começas a entrar em desespero..

K: Não dizes nada? Pode ser hoje?

Chic' Ana: Calma! Eu nem sequer sei o que isso é, tenho de pesquisar!

K:   Ana... Ajudaste-me com o excel há 3 dias, preciso de uma nova ajuda, é simplesmente isso!

Chic' Ana: Ahh, pensei que estavas a falar de algum programa.

 

 

... Estás a lavar a loiça, deixas cair o frasco de detergente para cima dos pratos que estavam na diagonal e os lascas a todos... E ficas a olhar sem mais nenhuma reação a pensar no que acabou de acontecer!

 

 

... Fazes um esforço monumental para te moveres 5 centímetros no sofá e te perguntam se precisas de ajuda para rodar o corpo ligeiramente para ficares mais alinhada com a televisão!

 

37083.png

Democracia pouco democrática!

Nada melhor que começar o dia, com ideias sobre democracia. Sei que isto é irritante, mas quando estou chateada rimo bastante (AHHHH, não consigo parar..)

 

Numa reunião da manhã, após o chefe propor alterações ao atual modelo:

Colegas: Não concordamos com essa abordagem, acho que faria muito mais sentido da outra forma.

Chefe: Pois, mas isto é uma democracia! Ou seja, se vocês forem os únicos a não concordarem, ganha a maioria!

(atenção que estavam 3 contra 1, sendo que eu ainda não me tinha pronunciado).

Colegas: Por isso mesmo, a maioria prefere da outra forma - Somos 3 contra 1, a Ana ainda não disse nada, mas mesmo com a opinião dela, ficaremos no máximo 3 contra 2 ou 4 contra 1, ou seja, somos a maioria!

Chefe: Mas não ouviram o que eu disse? Democracia! 

(nisto vira-se para mim já chateado)

Chefe: Ana, decide sff qual a melhor abordagem e depois informa os teus colegas...

(e sai da sala)

 

Ficamos atónitos a olhar uns para os outros e eu com a batata quente na mão, o meu problema é que desta vez concordo com o chefe, mas se lhes for dizer isso, vão dizer que a minha opinião é de lambe-botas, se for contra o chefe, vai dizer que optei por ficar do lado deles!! Grhhhhh

O dia promete! 

 

mafalda-e-democracia.jpg