Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

No tempo em que eu era... homem?

Hoje em dia refilamos que os homens nunca sabem onde colocam as coisas. Por vezes parece mesmo que não vivem na mesma casa que nós. Mas será que sempre foi assim?

 

No meu caso não, lembro-me perfeitamente da altura em que também eu fui “homem”. Por mais que procurasse as coisas, nunca as encontrava.

 

Mãe: Ana, vais-me buscar uma linha de cor azul à caixa de costura?

Chic’ Ana: Onde está a caixa?

Mãe: Onde sempre esteve, na cozinha.

Chic’ Ana: Mas onde, em que armário?

Mãe: No segundo armário, em baixo.

Chic’ Ana: Não vejo nada… (passados 10min a procurar uma caixa de 40 cm que devia estar mesmo à minha frente) Já encontrei!! Queres o quê mesmo?

Mãe: Linha azul.

Chic’ Ana: Não há!

Mãe: Tem de haver… ainda ontem comprei.

(reviro, reviro)

Chic’ Ana: Não encontro nada…

Passados 15min, lá vem a minha mãe, retira-me a caixa da mão, abre e voilá a linha azul.. Mas ela não estava lá, era capaz de jurar!

 

Chic’ Ana: Mãeeeeeee, onde estão as minhas calças de ganga?

Mãe: Devem estar no teu roupeiro. Já viste?

Chic’ Ana: Claro, mas não as encontro.

Mãe: Será que estão para passar?

Chic’ Ana: Também não as encontro no cesto!

Mãe: Não me digas que fugiram? 

(Passados 30segundos, aparece a mãe com as calças na mão! - com as minhas calças, atenção!)

 

E por incrível que pareça e me custe a admitir, as coisas ainda são assim em casa dos meus pais. Nunca encontra nada.. Há mais alguém a quem isto aconteça?

 

gaveta_magica1 (1).jpg

 

E só agora me dei conta, que neste dia internacional da mulher, faço um post sobre homens.. Realmente, homens, estão em todo o lado! Um feliz dia para todas as mulheres, com um sol radiante e quentinho! 

O pedido

Ontem foi dia dos namorados, o dia de excelência do amor, e nada melhor do que recordar o meu pedido de casamento.

 

Tínhamos comprado casa há relativamente pouco tempo e antes de nos mudarmos, queríamos dar-lhe um novo look, palavra chique para obras.

 

O M numa bela tarde vai ter comigo a casa dos meus pais, e muito apressadamente queria ir espreitar a casa e ver as novidades, etc. Eu estava num daqueles dias em que é necessário uma grua para me tirar do quentinho da casa, depois de muito esforço lá me convenceu a sair.

Chegámos à nossa nova casa e eu dei uma vista de olhos, parecia-me tudo igual ao que estava. A casa nem tinha um único móvel, portanto era fácil encontrar as diferenças. Entrei em todas as divisões menos no quarto. E ele bufava, espreitava e perguntava se eu tinha visto tudo.

 

Já farta daquela situação e sem ver nada de diferente, saio porta fora a resmungar por entre dentes que tinha saído de casa e os senhores das obras nem tinham lá colocado os pés. Nisto, sinto uma mão na minha a puxar-me para dentro de casa, ficámos um pouco no jogo do puxa e empurra, até que ele ganhou e me conseguiu encaminhar para o quarto.

Quando abri a porta, havia um coração de velas acesas, a rodear um ramo de rosas e uma caixinha com um anel.

 

Eu fiquei de todas as cores, só gaguejava... Sinceramente nem me lembro de dizer o Sim, mas este deve ter acontecido, porque o casamento deu-se!

 

Agora expliquem-me, como é que uma pessoa que entrava em casa e via tudo ao milímetro, não acha estranho haver uma porta fechada e uma luz alaranjada a sair por baixo da mesma, não acha estranho ter o M sempre a olhar fixamente para o quarto, não acha estranho toda a insistência dele? Devia estar mesmo distraída naquele dia.

 

Quando saímos de casa, ele suspira profundamente e diz: Se tivéssemos demorado mais uns segundos quando cá chegássemos tinha de te pedir em casamento com espectadores, os bombeiros, porque a casa devia estar a arder!

 

E por aí, como foi o vosso pedido de casamento ou de namoro?

mentirinhas_252.jpg

 

 

Relativamente ao passatempo das Deemak Twins, a grande vencedora foi a Cristiana Teixeira. Parabéns, vou enviar-te um e-mail para me dares os teus dados.

 

vencedor.bmp

 

O estranho caso do casaco

O M tem um casaco de andar por casa que é super quentinho. Fica-me grande, mas é extremamente confortável, quente e aconchegante. Eu tenho casacos, tenho robes, tenho pijamas fofinhos, mas nenhum desempenha tão bem a função como aquele casaco! Para além de que as mangas fazem também de luva quando quero pegar numa panela quente, portanto, acaba por ser o 2 em 1 perfeito.

 

Só tenho autorização para o utilizar quando o dono tem calor e não o tem vestido, portanto, cada vez que ele tem o casaco no roupeiro ou sobre alguma peça de mobília, lá vou eu toda contente vestir o mesmo. (até porque a divisão atual não me parece justa: então ele fica com o casaco no inverno e eu no verão? No verão preciso é de uma ventoinha).

 

Agora vem então o verdadeiro problema: Cada vez que visto o casaco tenho de desaparecer! Se ele não me vir, nem se lembra do mesmo, portanto não tem frio, pode estar confortavelmente de t-shirt como se estivesse em pleno Verão. Se por acaso entro no campo de visão dele com o casaco vestido, dá-lhe um frio instantâneo que me faz despir o mesmo para o vestir!

 

Acham que se o tingir de cor de rosa, ele me deixa ficar com ele?! E não me apresentem a sugestão de comprar um igual, pois quando vamos ás compras, não conseguimos comprar roupa para nós dois tamanhos acima, nem com mangas daquele comprimento. Só mesmo na secção masculina e tendo a feminina ao nosso dispor, o casaco torna-se secundário.

 

Sou só eu que passo por isto, ou há mais gente com o mesmo dilema?

Vocês, homens, também podem responder: qual a razão para este comportamento?

 

41905-8-650-32e9147584-1484646070.jpg

 

Aspiradores e homens!

Ontem já vos tinha dito que este fim de semana tinha sido rico em peripécias. Portanto, vamos lá..

 

Sexta-feira à noite telefonei à minha mãe para lhe perguntar se ia fazer alguma máquina de roupa branca. Ela disse que sim, e lá fui eu toda contente com duas camisas para aproveitar a lavagem.

 

Domingo, fui lá buscar as camisas já lavadinhas, branquinhas, branquinhas e aproveitei a tarde de engomar para as passar a ferro.

 

Coloquei o meu estaminé em ordem e mãos à obra.. Era uma pilha de roupa que me ia durar para a tarde toda. Para dividir esforços, o M ficou encarregue de aspirar o chão.

 

Já estava quase a terminar, com a roupa toda dobradinha na mesa da cozinha, camisas penduradas nas costas das cadeiras, quando chega o M de aspirador em riste. Aspira, aspira, até que vê uma migalha em cima da mesa da cozinha. O que é que ele decide fazer? Aspirar a migalha…

 

Entusiasma-se com o restante espaço e dá largas ao aspirador (já sem o acessório do chão, somente o tubo) que acaba por aspirar a minha camisa branquinha, branquinha. Ora, a manga da camisa entrou a direito para dentro do tubo do aspirador. Quando a conseguimos salvar do bicho devorador, a manga não estava branquinha, branquinha. A manga estava cinzenta escura…

 

2 horas de molho em Neoblanc gentil atenuou um pouco a sujidade, mas não a removeu. Coloquei-a em lixívia pura e não funcionou. Sugestões? Ideias? Alguém que salve a minha camisa branquinha, branquinha que agora está mais sujinha que na sexta-feira?

 

Como vêm não somos um casal com muita queda para os aspiradores! Ver aqui a história anterior.

03541c0bc9afe85a3a81117617719dab.jpg

Alergias estranhas

Eu tenho das alergias mais estranhas e de dia para dia, parece que descubro algo novo, desta vez, descobri que sou definitivamente alérgica à barba - dos outros.

 

Não tem a ver com os produtos utilizados, tem mesmo a ver com a própria barba que pica e agride a pele. Basta cumprimentarem-me normalmente com dois beijinhos que fico com as bochechas da cara vermelhas e cheia de comichão. Ora, quando vou a uma apresentação ou tenho de cumprimentar alguém, faço das figuras mais ridículas, desde dar beijinhos no ar, desde fugir com a cara antes de ser picada, desde estender a mão e armar-me em importante, estilo “não me toques”.. Inúmeras manobras de diversão para que a minha cara não toque em barbas.

 

Já o M, faz alergia a desfazer a barba! Estão a ver onde é que isto nos vai levar, não é?

 

No inicio do namoro, ele fazia o favor de desfazer a barba duas vezes por semana, lá está, o espírito do inicio. Agora tem desfeito a barba apenas uma vez por semana… Eu já tentei de tudo: No primeiro ano, ofereci-lhe creme hidratante calmante para colocar após a barba, aftershave, espuma, tudo incentivos para que ficasse a cheirar bem e fofinho sempre que a desfizesse. Está bem, ligou tanto àquilo como eu ligo a usar desodorizante de homem!

Não desisti e no ano seguinte ofereci-lhe uma máquina que dá para utilizar a seco e debaixo de água, que garante que a pele não fica inflamada, etc. Quantas vezes a utilizou? 2.

No terceiro ano ofereci-lhe mais um cabaz composto, esperançada que fosse desta.

 

Este ano o que me aconselham vocês?

  • (opção 1) - Oferecer-lhe um voucher de depilação definitiva – o máximo que pode acontecer é ser eu a utilizá-lo ou então poderá ficar com tufos de pelos aqui e ali, contribuindo para que a desfaça diariamente;
  • (opção 2) - Oferecer-lhe uma navalha de barbearia muito bem afiada, que servirá para desfazer a barba mas também para o ameaçar – dupla funcionalidade portanto;
  • (opção 3) - Trocar o gel por tinta de coloração vermelha e esperar que ele tenha de desfazer a barba porque esta mudou de cor – só resultará uma vez;
  • (opção 4) - Outra solução que me esteja a escapar.

 BemCasadosTirinha_0459.png

   

Ajuda precisa-se!

Daltonismo

A propósito do texto de ontem, sobre o M não encontrar o frasco azul, houve muitas questões sobre o daltonismo. Ele não é daltónico, contudo, tenho dois grandes amigos que o são, e nunca me tinha apercebido da situação até um determinado momento.

 

Um dia no regresso da faculdade a altas horas, dá-se o seguinte diálogo no carro:

MT: Podes dizer-me rapidamente a cor do sinal?

Chic’ Ana: Está amarelo.

MT: Mas é daqueles que muda de cor?

Chic’ Ana: Não, acho que tem apenas uma cor intermitente. Podes passar, com cuidado.

 

MT: As cores daquele sinal mais à frente estão pela ordem correta?

Chic’ Ana: Sim, mas o que é que se passa? Não estás a ver bem?

MT: Estou cansado, mas essencialmente não distingo o verde do vermelho, oriento-me sempre pela ordem das luzes, sei que a primeira é sempre para parar, e a última para avançar.

Chic’ Ana: O quê? Já nos conhecemos há 4 anos e nunca me disseste nada?!

MT: E não tinha dito, mas estou realmente cansado e hoje a condução não está a ser automática…

Escusado será dizer que passei o resto da viagem a gritar verde ou vermelho!

 

 

Quando acabei a faculdade, juntei alguns amigos para me assinarem as fitas. A dada altura, dois deles trocam as fitas para lerem as dedicatórias e um deles sai-se com a seguinte questão:

Z: Olha, enganaste-te, colocaste aqui que a Ana tem os olhos azuis.

Chic’ Ana: Então, está certo.. eu tenho os olhos azuis.

Z: Hummm, então não são verdes claros?

Chic’ Ana: Não…. Mas….

Z: Pois, eu confundo um pouco as cores e como eu tinha a percepção que os teus são mais claros, sempre os atribuí a verde.

 

daltonico.jpg

 

E o que é isto do daltonismo? O daltonismo pode assumir também o nome de discromatopsia ou discromopsia. Consiste numa perturbação da percepção visual caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores, sendo que as mais frequentes de se baralhar são mesmo o verde e o vermelho. Esta perturbação tem normalmente origem genética, mas pode também resultar de lesão nos órgãos responsáveis pela visão, ou de lesão de origem neurológica.

Esta perturbação é mais comum de ser encontrada no sexo masculino, uma vez que o problema está geneticamente ligado ao cromossoma X. Como as mulheres têm dois cromossomas X, existe semrpe a possibilidade de um compensar o outro, o que explica a baixa incidência desse distúrbio entre as mulheres, contudo, também pode acontecer.

 

Querem saber se são daltónicos? Se conseguirem identificar todos os números na imagem abaixo, não são, se tiverem dificuldade em identificar todos ou algums, podem ter uma espécie de daltonismo.

 

test-daltonismo-590x452.jpg

 

Bem sei que o post é grandinho, mas têm o feriado também para o ler! Divirtam-se e até sexta =)

Rentabilizar o tempo

Domingo à noite precisei de um produto que estava no móvel da casa banho. Para não perder mais tempo, lembrei-me que o M estava na sala e toca de o chamar!

 

Chic’ Ana: Podes ir ao móvel da casa de banho, porta esquerda, buscar um produto azul?

M: Está bem..

 

M: É isto? (Um desmaquilhador bifásico cor-de-rosa)

Chic’ Ana: Não, é azul, e é para lavar a cara. É todo azul.

M: É isto? (Uma embalagem de verniz)

Chic’ Ana: Não, é azul, todo azul!

M: É isto? (discos desmaquilhantes)

Chic’ Ana: Não…

 

Após mais umas tentativas, finalmente acerta no tão desejado produto. Utilizo-o e quando vou à casa de banho para o arrumar, está o conteúdo do armário quase todo espalhado no chão! Isto é o que eu chamo de rentabilizar o tempo!

Bem sei que os homens detestam mexer em coisas do universo feminino, mas a cor até era azul e as instruções bastante simples, e sim, era a única coisa azul que estava dentro do armário.

tirinha-caras-e-bocas.jpg

 

Mulheres vs Homens: o Frio!

Há algo que eu não consigo compreender por mais que me esforce. Senhoras e senhores, meninos e meninas, cheguem-se aqui e digam-me de vossa justiça..

 

Nós, mulheres, variamos sempre a forma como dormimos: quando está frio colocamos mais cobertores na cama, trocamos os tecidos mais finos por tecidos mais aconchegantes e fofinhos, ditos polares. Mas os homens, esses podem dormir somente com um lençol e sempre com roupa fresca, quer seja verão ou inverno. Como é que tal é possível? Têm um metabolismo diferente?

 

A noite passada ia congelando. Toca de colecionar toda a roupa da cama e nem assim aqueci. O M dormia um sono profundo enquanto eu tremelicava e me enrolava tipo bicho de conta para tentar aquecer. Neste momento ainda estou enregelada porque me estou sempre a lembrar do frio que tive durante a noite. Acho que isto só me passa quando dormir quentinha novamente. 

 

O frio psicológico existe?

 

Bem-Casados-Tirinha-0140.png

 

Gostam de livros? O que dizem os meus livros? Uma entrevista a não perder! Obrigada Edite.

A Era da Tecnologia

Apesar das inúmeras tecnologias e meios de comunicação existentes, cada vez é mais difícil comunicar.

 

As pessoas ditas reais, estão cada vez mais distantes, privilegiando-se a utilização de recursos tecnológicos: as pessoas preferem trocar mensagens e interagirem através de dispositivos do que se sentarem calmamente num café, de conversarem cara a cara, de trocarem sorrisos e momentos divertidos.

Hoje em dia, é o número de fotos que colocam no facebook que é verdadeiramente importante, é o número de amigos que têm nas redes sociais. Os amigos não se adicionam, conquistam-se!

São julgadas pela interação que têm no mundo virtual, enquanto que o real é cada vez mais descurado. Não se esqueçam que no facebook e em outros locais, só se divulgam as boas noticias – são fotos de passeios, viagens, férias, grandes carros e comezainas.. Será que representam mesmo a realidade?

 

Antigamente, a sala, que servia como ponto de encontro para toda a família, hoje é uma divisão vazia – cada um vai para o seu quarto, fecha a porta e perde-se o contacto. Como ficam então a criação e o estabelecimento de laços que tão importantes são?

 

Segundo Einstein, "o dia em que a tecnologia ultrapassar a interatividade humana o mundo terá uma geração de idiotas". Será que não alcançámos já este dia?

mentirinhas_696.jpg

 

 

E o porquê desta reflexão? Porque ontem telefonaram para um colega meu a informar que se tinha esquecido dos filhos na bomba de combustível. Segundo ele, estava entretido com o telemóvel, meteu-se no carro e arrancou, enquanto que os filhos tinham saído do carro e andavam por ali.. E por lá ficaram, até alguém lhe telefonar e contar o sucedido.

 

mentirinhas_789.jpg

 

Bom feriado! Aproveitem bem esta pausa a meio da semana.

Limões Cor-de-Rosa

Este domingo foi um dia muito bem passado, mas também uma autêntica correria. Da parte da manhã, tive a oportunidade e o prazer de conhecer a Débora e a Joana que são uma excelente companhia, muito divertidas e simpáticas. Depois seguiu-se uma tarde preenchida e finalizei com um jantar de amigos com a habitual troca de prendas de Natal e jogos.

 

Ora, como o jantar era em minha casa, e só a partir das 18h é que estava em casa, tive de pensar numa sobremesa que fosse simples e fácil de solidificar: nada melhor que uma mousse de limão.

Mãos à obra: natas, limões, leite condensado e faltavam-me umas folhas de gelatina, para garantir que ficava sólido.. Pedi ao M para as ir comprar rapidamente enquanto eu ficava a adiantar as coisas e assim foi. Quando chegou fiquei a olhar para o que ele me tinha trazido, mas não disse nada, adicionei rapidamente e frigorifico.

 

Na hora da sobremesa, salta uma taça para o meio da mesa e a minha típica pergunta:

Chic' Ana: Adivinhem lá de que é.

Coro: Morango!

Chic' Ana: Não, têm de provar.

Mais hipóteses: Groselha, frutos silvestres,...

M: (muito baixinho) Então Ana, mas não ias fazer uma mousse de limão? Só dizem frutos avermelhados.

Chic' Ana: (baixinho também) Adivinha lá porque será? Trouxeste-me folhas de gelatina cor de rosa ao invés das transparentes. A sobremesa está cor de rosa!!

(e agora para toda a gente ouvir) É de Limão! (caras de espanto) É que os limões da minha árvore têm uma coloração estranha!

 

Mas o M até se saiu bem, pelo menos não me trouxe gelatina em pó =)

 

c3ab7752bba868149a5340bc0a4906ee.jpg