Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

O pesadelo dos peixes - Episódio 3

E o tão esperado final da trilogia dos peixes.

 

Há uns 5 anos decidi que iria dar uma nova oportunidade aos peixinhos como animais de estimação. Lá vou eu a uma loja de animais, compro um aquário daqueles com tampa, retangular, comprido, precisamente para eles não saltarem. Como o aquário era grande decidi comprar 4 peixinhos: um daqueles pretos gordinhos com os olhos grandes, o tradicional vermelhinho, um que ficou apelidado de carpa, muito rápido e esguio, e um azulinho que tinha umas cores muito bonitas.

 

Nos primeiros dois dias correu tudo bem, comiam bem, à exceção do azulinho, mas o senhor tinha-nos dito que poderia acontecer por causa da adaptação à nova água, mas que seria rápido, uma vez que eles na loja estavam todos juntos e que em casa seriam para manter assim.

No terceiro dia vou ao aquário cumprimentar os peixinhos, olho para o peixinho preto… e as barbatanas estavam esbranquiçadas, pensei que tivesse sido de uma luta, fiquei a observar atentamente os peixes durante imenso tempo e nada de estranho. Não andavam aos encontrões, nada! Apenas uma diferença, a carpa estava a nadar ainda mais rapidamente.

No quarto dia, o peixinho preto e o vermelho estavam os dois sem um bocadinho da barbatana. Olho para a carpa e lá anda ela aos encontrões aos peixes. Conclusão: coloquei a carpa de castigo e foi para o aquário redondo com uma tampinha por cima.

 

Não aconteceu nada de estranho nos dois dias seguintes, a carpa acalmou, já não nadava desenfreadamente e eu pensei cá para mim: pronto, posso juntar outra vez os peixinhos. Juntei os peixes e estive um dia de vigilância, não aconteceu nada!

Ao oitavo dia o peixe preto estava completamente todo mordiscado e morto!! Barafustei com a carpa, coloquei-a outra vez de castigo e ela acalmou instantaneamente. E eu a pensar - que safada, faz tudo pela calada.

Ao nono dia, levanto-me já sem pensar no pesadelo dos peixes quando vejo o vermelho a boiar sem a barbatana! Mas que coisa do demónio era esta?? Olho para a carpa e ela estava sossegada no aquário à parte, olho para o azulinho e este andava na sua vida normal, calmo e tranquilo.

- Foste tu? – pensei eu! - Não, o vermelho devia estar com lesões por causa do outro ataque e não sobreviveu!

 

Por via das dúvidas deixei os dois sobreviventes separados. Portanto, tinha um aquário grande com apenas um peixinho, e um redondo com outro peixe. Sempre que se aproximavam um do outro, a carpa ficava maluquinha e nadava, nadava, nadava. Estiveram separados umas semanas. Até que num belo dia em que estava a mudar a água de um dos aquários, juntei os dois peixes, pensei que não havia problema pois eram apenas 5 minutos.

 

Mal tinha acabado de os juntar. Pumba, o azulinho atacou a carpa, e esta coitada lá nadava desenfreadamente.

 

Ahh, nem queria acreditar, era o azulinho que atacava os outros peixes, sim, o azulinho, aquele peixe que não se mexia. Fui investigar na internet e fez-se luz, o azulinho era um peixe de água quente, que não podia estar em contacto com mais nenhum peixe pois tinha instintos assassinos, lutando sempre para ser o único habitante do espaço. A sua alimentação baseava-se em insetos e algas. O quê? Tenho um peixe assassino??

 

Conclusão: Lá viveram em separado o resto dos seus dias, a carpa no aquário maior, mas sempre muito nervosa, pudera, ia sendo comida umas poucas vezes. E o azulinho, comigo a apanhar moscas e mosquitos para ele comer! Sim, porque só sobreviveu a comer os outros peixes, comida de peixe que é bom e bonito nem vê-la. Só me apetecia dar uma cacetada no peixe, mas coitado, a culpa era da genética! E pelos vistos tinha uma boa genética: foi o último a morrer e durou uns bons anos.

 

Depois deste episódio, peixes? Longe por favor!

 

images (1).jpg

 Esta imagem era a pobre carpa a fugir do azulinho!

14 comentários

  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:04

    Eu e os peixes realmente é uma ligação que nunca irá dar certo! Seja em minha casa, seja na dos outros. Houve um dia em que fui a casa da minha tia, que tem um aquário super grande e coloquei-me a observar os peixes, às tantas um começou a comer o olho do outro. Eu muito aflita, começei a gritar por ela. Ela chega e ao invés de socorrer o peixe, vira-se para mim muito assustada: "Ana, afasta-te já dos meus peixes! Eles nunca se comportaram assim" Claro, eu é que tinha a culpa!!

    Tenho amigos meus que também os têm para acalmar as crianças e dizem que resulta na perfeição! =)
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:07

    ahahahahahaahahahahahahah tás a brincar????? só por estares a olhar, a tua tia achou que a culpa era tua??? acharia a tua tia que és o Bin Laden dos peixes? ou seria o Hitler?
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:10

    Antes estivesse a brincar!! É por causa destas e de outras que agora pareço uma louca em casas com aquários! Recuso-me a olhar para eles!
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:12

    terapia?...
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:13

    vá, acho que também não é preciso chegarmos a tanto! Eu sei que eles não me atacam, o meu receio é que se ataquem entre eles!
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:20

    não era para ti... era para os peixes
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:22

    terapia para os peixes? Bom... desde que seja longe do meu alcançe podem fazer o que bem lhes apetecer!
    Agora deixa que te diga, mas a tua do peixe cozido está muito boa também! Ele desregulou sozinho?
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:25

    ahahahah terapia para que os peixes deixem de se comportar de forma estranha ao pé de ti :p

    O termostato avariou e, em vez de manter a temperatura da água regulada... começou a aquecer. Um dia chegamos a casa, o Oscar estava cozido. Só lhe faltavam as batatas e o ovo cozido (ainda por cima o raio do peixe era grandito).

    Mas também já tivemos várias histórias com eles. por exemplo, um dia ouvimos um estardalhaço na sala e fomos ver... era um dos Oscares (meio quilo de peixe) que tinha conseguido saltar para fora do aquario, apesar da tampa...
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:32

    Já viste a quantidade de casas que teria de passar por esta terapia? Acho que a melhor solução é manter-me afastada mesmo! =)

    Saltou com a tampa??? Cruzes! (uma pergunta: os teus peixes eram todos oscar?)
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:37

    Normalmente temos Oscares ou Papagaios, são os melhores e que duram mais tempo. Depois também temos um ou dois plecos para limparem o fundo do aquário. Já tivemos peixes-gatos mas acabamos por ter de os doar ao aquário vasco da gama porque cresceram demasiado e não cabiam no aquário.

    Saltou, literalmente, a tampa ao aquário. O peixe era enorme (e lindissimo) e por isso conseguiu, num salto maior, que a tampa saísse do sitio e ele tambem
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:40

    Hoje já aprendi imenso, não fazia ideia que existiam tais espécies de peixes! A sério? Cresceram assim tanto? É sinal que são muito bem tratados!
    Conseguiste salvar o peixinho, não conseguiste?
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 21.01.2016 09:42

    vou-te mandar por mail as fotos destas raças. Os oscares são bastante resistentes (excepto quando são cozidos...) e são excelentes para se ter em casa.

    Sim, salvamos o peixe. O barulho foi tal que acordamos todos e o marido chegou à sala para ver o que era e ele lá estava a pular no chão. Meteu-se no aquario e ainda lá andou uns tempos valentes
  • Imagem de perfil

    Chic'Ana 21.01.2016 09:45

    Ok, obrigada!! =)
    Ainda bem que essa aventura acabou em bem!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog tem comentários moderados.