Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

Chic'Ana

“Não posso mudar a direção do vento, mas posso ajustar as minhas velas para chegar sempre ao meu destino” by Jimmy Dean

One Smile a Day com.. a Alexandra

A minha convidada desta semana é a Alexandra, autora do blog Blog de Algo. E o que poderemos encontrar neste blog, será que é necessário responder? Pois está claro, de tudo um pouco. O que mais se destaca a meu ver é a simplicidade! As opiniões são simples, diretas, incisivas. É um blog que se pode considerar real, sem grandes malabarismos: conta com mau humor, sarcasmo, mas também bom humor e positivismo. Concluindo, o blog dá tantas voltas quanto as nossas emoções. Quem é a Alexandra? Podia ser qualquer uma de nós. Espreitem e digam de vossa justiça.

 

Tenho que fazer algum tipo de "depoimento"? ou é só contar a história? 
Para já, vai a história
 
Por certo há muitas outras situações para rir, mas assim que me  lançaste o desafio, parece que sofri de uma branca e não me conseguia lembrar de nada digno de registo. Depois lembrei disto.
Acho que é a situação mais embaraçosa por que passei, mas agora rio-me cada vez que me lembro e lembro-me cada vez que vou à farmácia.
 
Um dia fizeram uma limpeza num terreno aqui perto de casa e ao revolverem as terras "soltaram" uma praga de pulgas. A rua ficou infestada, as casas ficaram infestadas e eu fiquei infestada. 
Sou alérgica à picada da bicha, faço borbulhas gigantes e tenho uma comichão desesperante. Fui à farmácia e pedi um remédio para me passar a comichão da picada de pulga. O senhor não sabia porque raio eu tinha pulgas em casa, n'é? Estão a ver a vergonha?
 
Não, não estão.
 
Eu vou sempre à mesma farmácia. O senhor já me conhece. Foi mesmo uma vergonha.
 
Alguns meses depois um primito meu "participou num concurso" do colégio dele, cujo tema era: Quem consegue colecionar mais piolhos. Ou seja, houve uma praga de piolhos na escola. Veio passar o dia a minha casa. 
Estão a ver quem é a pessoa da família que quer para si toda a bicharada comichosa que existe? Sou eu. 
Pois que também adquiri uma coleção de bichinhos para a minha cabeça... 
Onde tive que ir? à farmácia, pedir um remédio para os piolhos. 
 
Quem me atendeu? 
O mesmo senhor, que obviamente, atende muita gente e já não se lembrava das minhas pulgas. Certo? 
 
Errado!
 
Senhor da farmácia:
- É muito atraente para a bicharada!!
Eu morri, mais ainda consegui dizer:
- Por favor, não brinque com coisas sérias.
 
Estou à espera da próxima vez que vou à farmácia pedir um remédio ainda mais constrangedor. 

Desta vez não posso dizer que me identifico com a história, porque nunca tive uma infestação de pulgas, e ainda bem, pois faço alergia ás mesmas. Quanto a piolhos, já tive sim senhora, e aquelas comichões, ai, as comichões, são terríveis!!!!

 

Contudo, acho que ainda não atingiste a pior bicharada! Aguardo pela continuação da história.. (estou a brincar, espero que esta não apareça)

 

Obrigada por esta bela partilha =)

Nova imagem.JPG

 

E hoje podem encontrar-me também na "casa" da Daniela

Um bom fim de semana e bom feriado para todos. Até terça =)

Coelhos fofinhos... como os afugentar?

Ontem cheguei ao trabalho e contei uma grande novidade aos meus colegas: Tinha coelhinhos no terreno. Coelhos branquinhos, simpáticos e saltitantes... Uma mãe (coelha grande) e 3 crias (mais pequeninos).

 

Colega: Oh, deve ser tão fofinho observar os coelhos!

Chic' Ana: Eles são terríveis.

Colega: Lá estás tu com o teu mau feitio, adoro ver os coelhinhos a saltitar nos terrenos, em liberdade, ao sabor do vento...

Chic' Ana: Eu também, concordo com tudo isso, desde que... Não seja no meu terreno.

Colega: Que mania a tua, que mal podem fazer essas criaturas fofinhas com um pompom no rabiosque?

Chic' Ana: Queres ver umas imagens?

 

Isto eram cebolas, acabadas de plantar... O que fazem suas excelências? Com as patinhas da frente, escavam, escavam, escavam, desenterram o coitado do cebolo, não o comem, e passam ao seguinte! Foi o entretenimento deles durante uma noite inteira.. 3 fileiras!

coelho 1.bmp

 

Ao invés de ter uma plantação bonita e frondosa, tenho uma plantação de... garrafões! Para ver se protegem as culturas. (Foi tirada ao longe, daí a fraca qualidade, e sim, eles também andam a investigar que nova planta é aquela que os impede de chegar à parte docinha).

DSC_0075.JPG

 

Os morangos? Temos de lutar com os coelhos.. e eles chegam sempre primeiro!!! Couves e alfaces? Todas roídas.. eu tenho um hotel de luxo para coelhos, com tudo o que há de bom e do melhor. Nós temos o trabalho e eles colhem o mesmo!

 

Agora a sério, alguém sabe como os afugentar, mas sem os magoar?

A Liberdade - Tu tens?

O tema deste mês do desafio palavras (quase) perfeitas é deveras pertinente: Liberdade!

 

Liberdade, o que é? Se perguntarmos a qualquer pessoa se acredita que é livre e se este é um conceito positivo, seguramente que recebemos uma resposta afirmativa. Mas afinal.. o que é isto da liberdade?

 

Liberdade é no fundo o direito de agir segundo o livre arbítrio, de acordo com a vontade de cada um, desde que, não coloque em causa outras pessoas, que não seja prejudicial. É a expressão tão utilizada: “A liberdade termina quando começa a liberdade do outro”.

É uma sensação de libertação, sem quaisquer amarras e dependência.. Mas será que a temos realmente? Que poderemos ser espontâneos, autónomos? Sim, desde que a liberdade seja acompanhada de responsabilidade e respeito. Se tivermos estes dois aliados sempre em consideração, então sim, somos livres, de outra forma, somos apenas loucos.

 

Loucos se acreditamos que podemos mover o mundo sem esforço, loucos se pensamos que o dinheiro não passa de um componente material, não, não é o mais importante, mas.. e as doenças que se podem curar com ele?! E as oportunidades que se abrem com ele? E o quanto podemos ajudar outros?! Somos loucos, loucos se pensamos que a nossa vontade manda impera, loucos se pensamos que somos mais importantes que todos os outros, loucos por fazer das questões raciais uma guerra, loucos por questões religiosas, políticas ou até futebolísticas ditarem mortes… Loucos!

A loucura não anda de mão dada com respeito e responsabilidade e como tal, o nosso voo de liberdade será bem mais brando, bem mais baixinho…

 

 

No meu entender, os voos mais altos dão-se nos sonhos. Nos sonhos não prejudicamos ninguém: podemos invadir os espaços uns dos outros, podemos criar as nossas próprias lutas, podemos voar, saltar, gritar, tendo a imaginação como limite. Uma imaginação contida num sonho, uma liberdade trancada na nossa mente.

 

No dia a dia, somos livres sim, mas somos livres com responsabilidade e respeito! E é assim a liberdade, a minha liberdade! E a vossa, como é? 

mentirinhas_549.jpg

 

Este desafio foi criado pela Cris e podem ver o resultado de Março aqui. Qualquer um é livre de participar e é muito engraçado ver as várias formas como cada blogger interpreta a mesma questão.

A paciência de um empregado...

Sexta-feira à noite, já tarde, e para não perdermos ainda mais tempo a fazer o jantar, decidimos ir ao take away de sushi. Muito fácil: entrar, indicar os números das caixas pretendidas e esperar cerca de 10 minutos.

 

Pois bem, tenho a dizer-vos que foram os 10 minutos em que eu mais abri a boca, e não, não foi para comer...

 

De seguida entrou um casal, na casa dos 30 anos, com uma rapariga num estado de gravidez bem avançada. Ela praticamente não disse nada no diálogo que se passou:

Namorado: Queria encomendar sushi, mas... ela está gravida, não pode ter contacto com as coisas cruas.

Empregado: Tudo bem, serão então duas caixas? Uma de quentes e outra de frios?

Namorado: Não sei se está a perceber, é que ela está grávida!

Empregado: Sim, sim, vai tudo separado. Mas se ela comer sempre wasabi, não tem qualquer problema, e o nosso peixe é previamente congelado. Elimina tudo o que possa ser prejudicial.

Namorado: Já percebeu que está grávida não é? Podemos escolher de outro local, da carta?

Empregado: Faça então o seu pedido, indique-me o número das peças.

Após 2 ou 3 minutos..

Namorado: Já escolhi! Então, é UMA peça de cada conjunto.

Empregado: Não, o número 12, por exemplo, tem associadas 4 peças de cada tipo. Tem de fazer assim a conjugação.

Namorado: Ai amor (a olhar para a rapariga), que chatice, sabes perfeitamente que eu só como UMA peça de cada, não é melhor ficarmos cá e jantar cá?!

Namorada: Já sabes que não!

Namorado: (A olhar para o empregado) Bom, faça você as caixas mas já sabe que só quero UMA peça de cada!

O Empregado retira um papel e com toda a paciência do mundo, vai distribuindo a quantidade de peças por caixa.

Empregado: Distribuindo, dão então 4 caixas! É isso?

Namorado: Ai que horror, que exagero,não é nada disso... Olhe, já não quero saber de nada! Faça duas caixas no máximo, à sua escolha...

 

O empregado fica sem reação durante um tempinho, olha para mim, eu encolho os ombros em sinal de "estou consigo, compreendo o que está a sentir!".. 

 

Empregado: Vou então fazer o pedido, dentro de 15 minutos estará pronto.

Namorado: Eu vou andando para o carro, pode ser?

Empregado: Claro que sim... Daqui a 15 minutos estará pronto!

Namorado: Mas diga-me, como é que eu sei quando passaram os 15 minutos?

Empregado: Então mas se se atrasar um pouquinho não tem problema. A encomenda espera e basta controlar pelo relógio!

Namorado: Mas como é que eu sei?! Ai, não percebo nada disto... O melhor é cancelar tudo, não sei quando passam os 15 minutos, não achas amor?!

Empregado: Pode sempre sentar-se num dos sofás e depois quando estiver, irei pessoalmente entregar as coisas!

Namorado: Acha que ela está num estado em que possa estar sentada, aqui, neste local!?

 

E viraram costas e saíram!

Isto numa casa cheia, com uma fila de clientes impacientes à espera para fazerem os seus pedidos... Santa paciência a do empregado.

Se voltaram?! Não faço ideia, mas não me admirava nada que fossem hoje buscar o que encomendaram na sexta-feira! 

Eu já sabia que as hormonas da gravidez toldavam o raciocínio das grávidas, agora que tivesse efeito de osmose?! É a primeira vez que presencio tal coisa.

Suporte_1031.jpg

 

Anúncio de última hora: Lynce procura esposa para casar a 31 de Julho! As condições encontram-se descritas no link em anexo, e resulta de uma "parceria" entre mim e a Blogadinha (ela é a chefe!). Meninas, estamos a contar convosco, não nos deixem ficar mal!

Precisamos que nos enviem uma foto + perfil para o e-mail chicana@sapo.pt, com o assunto "me gustas tu". Todas as candidaturas serão devidamente analisadas sob critérios rigorosos. Querem saber mais sobre o Lynce? Podem tentar avaliar a pessoa em questão pelo blog, mas ficarão muito aquém da realidade. Uma coisa vos garanto - é uma pessoa simplesmente maravilhosa por quem eu tenho um carinho enorme! Ficamos a aguardar! (Despesas de casamento incluídas)

One Smile a Day com.. a Beatriz

Este One Smile a Day tem um gostinho especial, e porquê?! Porque a autora da peripécia de hoje não foi convidada. Eu explico: estava a participar no projeto "A uma Carta de Distância", que consiste precisamente em enviar uma carta física a uma pessoa que nos calhe em sorteio, e, no mês de Fevereiro fui contemplada com uma carta da Beatriz. Uma menina que eu não conhecia, mas que é a autora do blog Trovoada dos Sonhos. Em primeiro lugar, a carta comoveu-me, falou-me dos seus sonhos e inspirações, o curso que desejava e o que se encontra a frequentar. Sempre com um espírito muito leve, aberto e sincero foi discorrendo palavras em cerca de duas páginas. Adorei conhecê-la e tenho a certeza que também vão gostar bastante de ir ao seu espaço... Sem mais demoras, aqui segue uma peripécia relatada na carta..

 

Quando eu tinha uns 7/8 anos (ou até menos), numa tarde de verão, estava sozinha em casa da minha avó e deu-me uma enorme sede! Procurei alguma garrafa ou garrafão de água, até que encontrei uma garrafa de água em cima de um armário e quase por estrear.

Maravilha, era tudo o que eu mais queria naquele momento. Então o que é que eu fiz? Pus-me a beber a água!

 

Mal engoli o primeiro gole fiquei com a garganta a arder imenso, parecia que tinha uma fogueira dentro de mim. Tossi, fui para a rua, esperneei e lá passou. 

Ufa, apanhei o susto da minha vida!

 

Quando a minha avó chegou, fiquei a saber que aquilo não era simplesmente água, aquilo era aguardente!

Ainda hoje não consigo beber tal coisa, tal foi o trauma.

 

Eu confesso que não me posso rir muito da situação, pois a meio da noite já me aconteceu fazer confusão idêntica, mas já não tinha nem 7, nem 8 anos, era bem mais velhinha. São as partidas que os sonos nos pregam.

Beatriz, mais uma vez, gostei imenso de te conhecer! 

mentirinhas_916 (1).jpg

(Nota: A banda desenhada nada tem a ver com a situação acima descrita, mas adorei a resposta do garoto e tinha mesmo de a colocar). 

Coisas da Gravidez

Toda a gente conhece de trás para a frente que as hormonas são terríveis, então em casos de gravidez podem deixar-nos completamente descontroladas. Já tinha ouvido falar de ataques de pânico, choro, ansiedades, mas nunca em ataques de riso. Ontem à noite, deu-me um ataque de riso, de tal forma, que não sei explicar sequer o porquê de me estar a rir.. Durou uns bons 20 minutos e acabou comigo a chorar e agarrada ao estômago, bom, pelo menos a tentar alcançá-lo por trás de uma barriguinha que já parece um balão.

 

Mas não era nada disto que eu queria dizer. O que me fez vir aqui foi abordar dois temas pertinentes.

 

A decoração do quarto

 

Se há um momento adequado para o fazer? Há quem queira esperar para saber qual o sexo do bebé, no nosso caso a criança decidiu não colaborar. Como tínhamos decidido dividir as maiores despesas mês a mês até ao nascimento, estava na altura de nos sentarmos e definir cores base para o quarto. Queríamos optar por tons que dessem para ambos os sexos. E a resposta veio em formato de presente. Ainda há quem diga que não há coincidências?! Pois é…

 

Nesse mesmo dia, recebemos 4 presentes: 2 da minha mãe e 2 da tia Ana Gomes. Não, não combinaram pois nem sequer se conhecem, mas escolheram precisamente os mesmos tons, bege clarinho e branco, que resultam numa combinação completamente angelical. 

Claro que foi um misto de emoções enorme! Foram as primeiras prendinhas que recebemos e de facto, tornaram-se especiais, ainda por cima prendas que são tão úteis e que nunca me passaram pela cabeça que fossem das primeiras coisas. Da mãe: uma almofada de amamentação feita por ela, super fofinha e versátil e um cueiro, a primeira roupinha para usar na maternidade, é unissexo apesar de parecer um vestido. Da tia: uma toalhinha para o banho com duas orelhinhas e um muda fraldas, que mais parece uma carteirinha, e que até dá pena utilizar!

prendas bebé.png

 

 

Obrigada, por nos ajudarem, não só a definir o que é realmente importante para um bebé (mãe de primeira viagem escolheria outras prendas), mas também por terem um papel decisivo na escolha das cores do quartinho. (Na imagem não parece, mas são efetivamente os mesmos tons)

 

Cenas dos próximos capítulos?!

 

A escolha do nome

 

Só vos digo uma coisa: Não está fácil!

pregnant-mother-problems-10.jpg

 

Prédio Simpático ou Manicómio?

Ontem já vos contei a peripécia associada a uma eventual multa. No dia seguinte ao clarão, o M ia tendo um acidente com uma camioneta. Portanto, quando me foi buscar nesse mesmo dia, concluiu que não havia duas sem três e já estava à espera do terceiro incidente… Eu nunca me passaria pelo pensamento que este terceiro fosse comigo.

 

O texto é um pouquinho longo, mas garanto que vale a pena pelo desenrolar de situações insólitas que vão acontecendo..

 

Ora, primeiro dia de férias, já atrasados para um jantar marcado com amigos, decidimos dividir-nos para recuperar tempo: eu ia a casa dos meus pais fazer um recado e ele ia carregando o carro. Tudo bem, eu de facto fui num ápice, voltei para o prédio e toquei no botão do elevador.

 

A Ana entra no elevador, carrega num piso superior e o elevador desce até ao -2, tudo normal, já tinha feito isso uma vez. Nisto, começa a oscilar entre o -1 e o -2, até ficar parado precisamente a meio do percurso.

Pensa Ana, pensa…

1º Pensamento: Tenho comida na mala e fui á casa de banho há pouco tempo, sobrevivência assegurada!

2º Pensamento: Tenho rede no telemóvel para pedir ajuda?! Não!

3º Pensamento: Procurar uma chave para sair do mesmo.. Nada.. Verificar os botões para pedir ajuda. Carregar no stop para cortar a energia do elevador e toca de colocar o dedo na campainha.

 

Toca, toca, toca.. após 20 minutos oiço movimento. Retiro o dedo da campainha, escuto, e o movimento silencia "Então mas ouviram e deixaram-me aqui?". Coloco novamente o dedo na campainha.. Toca, toca, toca… Até que passados 30 minutos, chega o M pelas escadas.

 

M (a espreitar para dentro do elevador): Eu logo vi que tinhas de ser tu.. (gargalhada enorme) Espera aí que vou ver se encontro alguém que possa ajudar.

Chic’ Ana: Vai ao vizinho X que eu vi-o a entrar no prédio e como já foi da administração sabe onde está a chave do elevador. Eu não vou a lado nenhum, descansa!

 

No caminho, encontrou dois vizinhos que lhe disseram que a chave do elevador estava com a vizinha do último andar. Subiram e deu-se o seguinte diálogo:

 

M: A Ana está fechada no elevador, se possível queria a chave para poder abrir a porta.

Vizinha: Então e ela tem-se portado bem?

M: O quê?!

Vizinha: Sim, tem-se portado bem ao longo do tempo? Tem sido uma boa esposa ou tem dado chatices? Quer mesmo retirá-la do elevador?

M: (A rir-se), sim, sim!

Vizinha: Então tome lá..

 

Ele já vinha a descer quando entra um casal de idosos no -2, acabado de estacionar o carro.

Vizinhos: Então a menina está aí dentro?

Chic’ Ana: Sim, estou fechada, penso que esteja avariado!

Vizinhos: Então temos de ir pela escada!

Chic’ Ana

Nisto fez-se luz, voltam os dois a correr para o elevador, completamente em pânico.

Vizinhos: Mas a menina está bem? Está mesmo tudo bem? Tem a certeza que se está a sentir bem?

Chic’ Ana: Sim, sim, não se preocupem, estou bem, está tudo bem…

Vizinhos: Ai, ai, e agora? E agora?! Como é que pode estar bem aí dentro?

Chic’ Ana: Estou mesmo, estou calma, tranquila… Não se preocupem, não fiquem nervosos.

Vizinhos: Já estamos cheios de calor, não saia daí, vamos pedir ajuda!

  

Vizinhos, completamente em pânico, brancos como a cal, esbarram com o M, gritam nas escadas que eu estou presa. Dá-se um enorme rebuliço e, passado algum tempo de conversa, conseguem finalmente colocar a chave e abrir a porta para me resgatar.

  

Numa só noite: percebi que ficar trancada num espaço pequeno diverte o M, percebi que a minha vizinha do último andar tem um sentido de humor muito particular, ou será peculiar!? Ainda servi de psicóloga a um casal em pânico por saberem que EU estava fechada no elevador.. E por fim, tive de explicar aos nossos amigos que estávamos atrasados porque EU decidi ficar fechada no elevador.. Acham que acreditaram?! Pfffff..

 

E assim começou uma bela semana de férias. Sim, porque mesmo num elevador, sem rede, eu estaria de férias: comida e teto à disposição. 

aureolos_123 (1).jpg

 

Uma noite atribulada

No último dia de trabalho, o M teve um jantar com uns amigos. Eu não estava lá muito bem disposta, e portanto optei por ficar em casa. Adormeci no sofá e estava em processo de mudança para a cama, quando ele chegou.

 

Trocámos algumas palavras: se o jantar tinha corrido bem, novidades, etc, e eu, já em modo piloto automático caio na cama e continuo a dormir.

 

De madrugada.. começo a ver uma luz brilhante, abro um olho, abro o outro, olho para o lado, e vejo o M com a cara toda iluminada! 

Chic' Ana: Então, que se passa? Não estás a dormir bem? Foi o jantar?

M: Não... correu tudo bem, eu estou bem.. mas.. preciso de uma prendinha tua!

Chic' Ana: Uma prenda?! Ai, o que se passou?

M: Eu ontem no regresso vi a luz, vi um clarão, um flash por assim dizer... e... podias por ventura emprestar-me a tua carta!....

Chic' Ana: O quê?! Então!?

M: Pois....

Chic' Ana: Bom, amanhã falamos melhor! (e virei-me para o lado)

M: Já sei que amanhã vou ter de repetir a conversa porque não te vais lembrar, mas eu já te avisei, e tu concordaste...

Chic' Ana: Eu estou BEM acordada, amanhã vou lembrar-me de TUDO! E NÃO concordei...

 

E é este o perigo de ser multifacetada e conseguir manter conversas coerentes mesmo a dormir: Ele deve pedir-me coisas, eu não me lembro.. mas já fui informada! Não posso negar! Isto está bonito, tenho de rever umas quantas situações!

 

Agora resta esperar que chegue a casa algum aviso. Ele acelerou para evitar um perigo eminente, mas isso não aparece no radar, pois não?

 

Bruna Lentz.jpg

O regresso

Estas férias foram maravilhosas! Acho que ainda não me tinha apercebido do quão cansada estava.

 

Mas.. Houve peripécias?! Pois claro que sim, e logo a começar no primeiro dia, estava a ver que já não ia para lado nenhum, ou melhor, que ia ter férias, sim senhora, mas num local bem mais apertadinho.. Curiosos? Prometo que vos conto tudo.

 

Espero que tenham tido uma Páscoa memorável, em família, rodeados de quem mais amam e com muita saúde, paz e alegria..

 

Por agora, bem... por agora resta-me colocar a caixa de correio em dia... Uff!! Regressar é mesmo complicado!!

 

3302310-9-0-1482216109-1482216113-0-1482493573-0-1482515487-1482515491-650-50bd1ce724-1-1482770027.jpg

 

Vou tentar visitar os vossos cantinhos para me colocar a par das novidades =) Até já!

One Smile a Day com.. a Joana

E, tal como prometido, para terminar a semana em beleza, mais um One Smile a Day, desta vez com a Joana. A Joana é a autora do blog As receitas da mãe galinha.

Confesso que a primeira coisa que me encantou no blog foi o nome, adorei. Descontraído, intemporal e cativante, à semelhança da sua autora que nos recebe sempre de braços abertos e com iguarias de deixar qualquer um a desejar ser seu vizinho. Desde sobremesas, a pratos mais tradicionais, passando por receitas leves e rápidas, aqui podem encontrar um pouquinho de tudo no que à culinária diz respeito, inclusivamente a sugestão de vários restaurantes por onde a Joana vai passando. Aconselho a leitura, tanto do blog, como da peripécia que se segue e que me deixou longos minutos a imaginar a situação e a rir a bandeiras despregadas.

 

Bom, para começo de conversa preciso de contextualizar o episódio que vou contar.

Sou bem humorada, sempre fui. Acho graça a coisas parvas, gosto de pregar partidas e não tenho qualquer problema em rir de mim própria. Tenho 13 anos de diferença da minha irmã mais nova e ela sempre foi o alvo das minhas partidas. Desde ser trancada na casa de banho às escuras até fazer-lhe vídeos embaraçosos a desgraçada passou por tudo...

 

Quando conheci o meu marido, o G., já lá vão 16 anos (e sim só tenho 33!) foi o descalabro total. Adora contar piadas secas e eu acho sempre piada... como se costuma dizer “só se estraga uma casa!”.

Bom, isto tudo para vos levar a umas férias de verão há uns quantos anos atrás. Os meus pais iam sempre de férias para o Algarve e, com o evoluir do namoro, o G., (na altura ainda namorado) começou a ir connosco também.

Os meus pais dormiam num quarto e eu, a minha irmã e o G. dormíamos na sala. Num determinado dia, tínhamos acabado de almoçar e ficámos pelo apartamento “a fazer a digestão”.  Os meus pais foram com a minha irmã para o quarto para que ela dormisse a sesta e eu e o G. ficámos na sala a fazer palavras cruzadas deitaditos de papo pra cima num colchão.

 

Ele lia as descrições e escrevia as palavras, eu limitava-me a responder. Como eu tenho um adormecer muito rápido o que que aqui a parva decidiu fazer: “Vou finjir que estou a dormir!”.

Ora muito bem. Ele lê a descrição, eu digo o meu palpite, ele escreve. Quando lê a próxima descrição eu não respondo e ele olha para mim fixamente. O que é que eu decido fazer: o som como se estivesse a ressonar! E ele continua a olhar para mim sem desviar o olhar. Eu continuo no meu belo teatro até que ele me diz: “Estás bem?”.

Até que eu penso “Estás bem? Então mas ele não vê que eu estou a dormir’” e foi aí que eu me apercebi e disse: ESQUECI-ME DE FECHAR OS OLHOS!!

 

Ora imagem lá... uma pessoa de papo para o ar, a olhar fixamente para a outra e a ressonar de olhos abertos... não será preciso dizer que a gargalhada foi tanta que nos fartámos de chorar a rir... E sim ainda hoje ele me goza por isso! 

Obrigada Ana pelo convite e por me fazeres voltar atrás no tempo :)

 

Aqui está a prova, não consigo ler este episódio sem me rir, e por muito que o leia, e por muito que saiba o seu final, dou por mim sempre a morder o lábio e a conter as lágrimas.

 

Joana, muito obrigada por esta participação tão divertida! São realmente momentos destes que dão á vida outro colorido. 

 

insonia.jpg

 

Para a semana estarei ausente, de férias, mas desejo a todos uma Páscoa muito, muito feliz, recheada de alegria, felicidade, paz, amizade e muita saúde! Chocolatinhos também, para quem gostar!